28 de março de 2017

Meu lugar no mundo

Semana passada estive em Londrina. Vi muitos amados, desencontrei com minha amiga-irmã, mas vi seus filhos que amo como se meus ❤. Tantos que foram ao meu encontro e outros tantos a quem fiquei devendo um abraço.

Foi bom e foi ruim. Ruim porque não me senti mais em casa, nem dentro do meu próprio apartamento. Daí, voltei pra Curitiba e aqui também não é meu lar.

E agora, José? 

A senhorinha sábia e otimista que vive dentro de mim diz que se você não tem um lugar no mundo, o mundo inteiro é seu. Meeeeeu, tudo meu! Hahahah acho que a senhorinha é sábia, otimista e mei louca.

A nuvenzinha cinza que é bem daquelas visitas que vêm sem avisar e sempre ficam mais do que o planejado, me diz que vem aí, tempos-de-preguiça-de-pensar-sobre-qualquer-coisa-mais-profunda, tristezazinha e isolamento. 

Pera, mais!?!? Sim, mas não desista de mim; só não vou sorrir sem ter vontade, mas eu te amo mesmo assim.

Que os bons ventos tragam dias mais ensolarados; que ser você mesmo não cause tanto espanto, dúvida ou questionamentos; que a paciência seja minha melhor amiga; que ser uma estranha no ninho seja cada vez mais, coisa do passado; que eu continue sendo abençoada de estar rodeada de pessoas a quem eu quero somente o bem e que a recíproca seja verdadeira, amém.

Beijos,
Betty.